covidegeresTravessia Covide a Caldas do Gerês

  • Travessia entre Covide e Caldas do Gerês, um trilho digno de reis
  • O parque nacional Peneda-Gerês é o local perfeito para passar um dia de sábado ativo, húmido, frio e quente. Em poucas horas percorremos as quatros estações. Com os amigos ou na companhia de novos amigos, tudo isto faz bem ao corpo e a alma. Andar é o comportamento mais básico do ser humano e contrariando o velho ditado “parar é morrer” partimos para mais uma aventura. Apelidada por muitos como a jóia do norte, buscamos nas suas entranhas o conhecimento e a felicidade nas pequenas coisas. O Gerês sempre simbolizou a harmonia entre o Homem e a natureza, numa partilha permanente de atividades e sentimentos, das gentes aliada à Natureza das inóspitas montanhas de granito moldadas pelo tempo. As águas correm cristalinas pelos ribeiros e o ar puro envolve a grande diversidade da fauna e da flora proporcionando um movimento contínuo de calma e prazer. ANDAR a pé faz bem, em todos os sentidos: físico, emocional e cultural. Partimos a descoberta desse amontoado de pedras que faz parte do trilho da cidade da Calcedónia.

    Ler mais...

2rios2mosteiroPR2 - Dois Rios, Dois Mosteiros

  • Na narrativa deste trilho, as personagens do enredo são os caminheiros, personificados por flores com fragrâncias intensas que desabrocham na imensidão da natureza e se misturam em jardins onde predominam o jasmim, a glicínia e outras plantas que nem sei o nome. A luz, que ilumina este palco, dá o seu brilho emprestado pelo sol e converte em vida este jardim, e toda a mãe natureza. Este jardim convida a reflexão e aos momentos de convívio.
  • A luz pálida é refletida nos espelhos de água, e a paisagem convida o nosso olhar, e podemos admira-la e enaltece-la com poesia e lamenta-la com melancolia e admirar a maravilha deste planeta que o ferimos todos os dias. O perfume das flores é ilusório e passageiro. A cor é irrelevante até a mais incendiarias tonalidades de vermelho e laranja se transformam em tons pálidos pela ausência da luz.
  • Ler mais...

draveTravessia de Drave, Regoufe a Covelo do Paivô

  • A luz inunda o meu quarto, arranca-me do sono profundo. Tudo está em silêncio, apenas os finos raios de luz que penetram pelas frinchas dos estores brincam na minha face e desenham pontos geométricos de luz. Estou muito confortável e quente na cama, e lentamente desperto antes do irritante toque do despertador. Espreito pela janela e o ar fresco da manha, que inspiro renova-me o sangue e enche-me de esperança para um novo dia que começa, apesar de estar uma manhã nebulosa de março. Passou apenas dois dias desde o início da primavera e o céu continua com tonalidades de cinza, e a decisão é difícil para os incrédulos, que o azul possa surgir.
  • Ler mais...

 bomsucessoCaminhos do Bom Sucesso

  • As luzes do universo já tinham cruzado a linha do horizonte e o silêncio abandonava a muralha negra formada pela noite, lentamente os tímidos raios madrugadores, anunciavam um novo dia e despertava os nossos sentidos adormecidos, e o sol aquecia o sangue destes humanos desesperados por uma caminhada.
  • Tinha passado já algum tempo desde a última caminhada. Os corpos sedentos de ação, aguardavam que a porta do autocarro se abrisse para se aconchegarem no calor que este proporcionava. Lá fora o vento gélido soprava deixando as carnes frias e doridas, desta forma era um bom convite a entrar. Ainda longe dos odores primaveris, fica para a história que no dia 23 de fevereiro de 2013, os termómetros registavam temperaturas muito próximas de zero graus. Cachecol, gorro e luvas são acessórios quase obrigatórios, sobretudo de manhã e à noite, já que o País está a viver os dias mais frios deste ano, tendo também o vento como inimigo. O vento é, aliás, o principal culpado pela sensação de frio. É preciso ter coragem para abandonar o calor e o aconchego de uma cama para partir rumo ao desconhecido, por terras de Mangualde. Mas, a força de vencer é mais forte que o desejo de ficar e deste modo demos inicio a mais uma aventura sob a alçada do ANDAR.

    Ler mais...

Pág. 4 de 4

Go to top