• Dos Moinhos S. Julião a Srª. do Salto
  • Para ver as fotos clicar em continuar...

 

Ler mais...

  • 10 Anos dez fotos Canhão do Poio
  • Onde as pedras têm vida.
  • Não é preciso muito para juntar cerca de 55 pessoas e conduzi-los pelo vale (Canhão) do rio Poio. Só é necessário um trilho e uma paisagem deslumbrante um dia fantástico de sol. O imponente vale do Poio manteve até agora os seus encantos resguardados devido à inacessibilidade e inospitalidade destas paragens, sendo apenas do conhecimento dos pastores e uns poucos aventureiros. Hoje, o trilho é frequentado por caminheiros, praticantes de BTT e escaladores que aproveitam a verticalidade destas paredes param se exercitar.
  • Ler mais...

  • 10 Anos dez fotos - Passadiço do Paiva
  • O rio Paiva como eu o vi.
  • É difícil encontrar palavras para descrever este rio e o seu complemento: o passadiço do Paiva. Nada mais me ocorre, além de um leque de cores. Uma mistura rica que tem um tom azul-turquesa.
  • A praia do Areinho convidava a um mergulho, ninguém em seu prefeito juízo cedia à tentação de o fazer, correndo o risco de ficar com moleza para fazer o percurso. Aqui o rio corre pachorrento e silencioso, talvez tenha medo de acordar o gigante adormecido, que repousa nas suas margens e com o passar do tempo o seu coração tornou-se empedernido e xistoso. Durante anos o rio foi acariciando a sua fúria e as suas lâminas agressivas foram polidas.
  • Ler mais...

  • 10 Anos dez fotos - vale encantado Góis
  • Trilho do Vale Encantado
  • O Trilho do Vale encantado é um percurso que sem dúvida vale a pena fazer. Esse foi o meu parecer no final. Góis continua a ser um dos concelhos onde reina o Xisto. Como bem sendo hábito e no seguimento da descoberta das aldeias de xisto pelo ANDAR, este percurso levou-nos a descobrir mais quatro aldeias, não de nome sonante como outras anteriormente visitadas, mas de grande interesse. São aldeias perdidas que se unem aos mais belos cenários, e que as tornam sublimes. O tempo a umas deixou quase no abandono ou mesmo em ruínas, outras ficaram esquecidas durante anos, e agora ganham novo alento e deixa-se seduzir pelo turismo.
  • Ler mais...

  • 10 Anos dez fotos - Foz d’Égua.
  • Não muito longe de Piódão encontra-se Foz d’Égua na confluência das ribeiras de Chãs com a do Piódão. Lugar paradisíaco. Belo, sem dúvida alguma. Gente abastada tem dado o seu bom gosto ao espaço, povoando de pontes, ricamente elaboradas, ou suspensas com engenho e arte. Subindo a encosta, a aldeia adaptou-se ao terreno. Assim, as ruas são estreitas e pequenas.
  • Ler mais...

  • 10 Anos dez fotos - Piódão
  • Piódão, a aldeia nascida da pedra.
  • Uma aldeia com a sua história escrita e reescrita nos manuais deixados pelo tempo, que cresce, encravada, vertente acima. Piódão, parece perdida no tempo, apesar de ter todo o conforto, mas, soube manter os costumes, as tradições e as características originais, típicas de montanha. Os edifícios combinavam a austeridade arquitetónica, com a simplicidade. O castanho ocre das paredes é apenas quebrado pelas janelas com caixilhos brancos e azuis. É este pormenor que lhe dá a graciosidade com que Piódão é conhecida dos roteiros turísticos. A Natureza não cede facilmente e para sobreviver, tiveram de desbravar montanhas, elevar socalcos fazer escadarias que os unissem e construir casas, com lousa, xisto, argila e madeira. Era uma vida difícil e dura, de tal forma que por detrás de cada pedra erguida se esconde uma história, muitas vezes escrita com sangue.
  • Ler mais...

  • 10 Anos dez fotos: Trilho dos Incas
  • Trilho dos Incas para mim um trilho mítico. Os degraus em lajes de xisto, e escondido dos olhares, lembram as semelhanças com Machu Picchu.
  • Numa aliança reciprocamente proveitosa passa de trilho de pastores ao encanto dos caminheiros. Foram rasgados durante séculos por gerações de homens cujos pés tinham sulcado as lajes de pedra e dedicaram a vida ao melhoramento do trilho. Hoje é a herança de um punhado de pastores de idade avançada e que não veem a continuidade da arte como futuro das gerações vindouras. A pastorícia é a única forma de subsistência nestas paragens. Por diversos momentos cruzamo-nos com pastoras que guardavam os seus rebanhos ou vacas de raça Arouquesa.
  • Ler mais...

Pág. 10 de 27

Go to top